Recentemente foi publicado no nosso Instagram (curumimnerd) um post sobre Johnny Depp e sua incrível transformação para o filme Edward: mãos de tesoura, onde o trabalho de figurino e maquiagem deixaram a interpretação do ator ainda mais emblemática. Curioso pensar que esse recurso existe há mais de 3 mil anos a. C., mas foi com o surgimento do cinema que esse mecanismo de caracterização tomou proporções diferentes.

Popularizado pelos filmes de terror, como em O Exorcista que transformou uma menina meiga em um curupira as avessas ou A hora do Pesadelo com Freddy Krueger cantando para você dormir, o meio vem extrapolando os limites da realidade e contribuindo para uma verdadeira experiência audiovisual.

Apesar do grande desempenho de artistas maquiadores e figurinistas, o intérprete é de fundamental importância para transformar um trabalho em obra-prima. Brad Pitt em O curioso caso de Benjamin Button mostrou ser um ator versátil e nos entregou uma performance memorável.

Entretanto, existem modificações corporais além das próteses e das tintas, alguns atores já passaram por processos penosos de emagrecimento ou engordamento que foram dignos de Oscar, Christian Bale ficou marcado por sua incrível adaptação ao filme O Operário, conseguindo emagrecer mais de 27 kg ao interpretar o trabalhador Trevor Reznik no longa.

Assim como Charlize Theron quando interpretou a personagem serial killer Aileen em ‘Monster: Desejo Assassino’ (2003). Tendo que engordar, pintar as sobrancelhas, usar lentes de contato, dentes postiços e próteses no rosto. Além disso, a expressão corporal que a artista imprime a tornou irreconhecível. Fazendo-a levar a estatueta de melhor atriz nesse ano.

Poderia escrever páginas e páginas sobre essas transformações e como são tão incríveis, mas minha intensão não é essa, quero transpor o pensamento medíocre de que as produções tem o cunho simplório de entreter. As transformações passadas pelos profissionais são exemplo do compromisso com a verdade, com a verossimilhança com a realidade, é instigante e perfeito ver que a ficção consegue imprimir tão bem os anseios, jeitos, personalidade e expressão alheias a ela, até então desconhecidas pelo mundo, mas acessíveis por ele.

Na próxima vez que ver qualquer ator ou atriz que precisou passar horas exaustivas numa sala de maquiagem, ou precisou engordar ou emagrecer abruptamente num curto período de tempo, não ache que aquilo tem o único intuito de entreter. Lembre-se do compromisso com a realidade e valorize o trabalho dessas profissões incríveis.

Categories: Cinema