[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

O primeiro foi bom, o segundo foi legal e o terceiro foi o melhor. Crash Bandicoot foi um personagem pioneiro nos jogos de plataforma em 3D. Ele teve o privilégio de ser um dos primeiros jogos lançado para Playstation e ser considerado mascote da Sony em seus primórdios. Crash Bandicoot 3: Warped é o terceiro jogo da franquia e traz uma pancada de novidades e mecânicas diferentes de seus antecessores. O jogo foi lançado em 1998 e foi produzido pela Naughty Dog, que atualmente é conhecida por ter produzido Uncharted e The Last of Us.

 

[/vc_column_text][vc_single_image image=”2475″ img_link_target=”_self” img_size=”700×400″][vc_column_text]

E por que esse jogo é bom? Ora, por que ele é divertido! Um dos pontos fortes desse jogo é a maneira como cada personagem recebe uma atenção no desenvolvimento de sua personalidade. Não existe um cara chato na história, cada herói ou inimigo é mais cômico do que o outro. O personagem principal que se chama Crash, um marsupial, não fala absolutamente nada, mas todas suas ações, expressões e efeitos sonoros tornam ele único e uma verdadeira piada, ele possui as mais diversas animações para quando ele morre (ex.: ele explodir e seus sapatos e olhos caírem do céu). É nesse jogo que podemos controlar sua irmã, Coco Bandicoot. Nos jogos anteriores vimos somente ela fazendo parte de alguns trechos da história, mas neste ela parte para ação. Mesmo assim só podemos jogar com ela em algumas fazes específicas.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”2476″ img_link_target=”_self” img_size=”700×400″][vc_column_text]

Toda história ainda está voltada para o arque inimigo do Crash: Dr. Neo Cortex, um doutor maluco que quer usar o poder dos cristais (item precioso no jogo) para acabar com o Crash e seus amigos. Mas desta vez a diferença está em seus aliados. O grande malvado da vez é o Dr. N. Tropy, um homem meio máquina que consegue controlar o fluxo do tempo e faz uso de seus poderes para ajudar Cortex a conseguir cristais que estão espalhados em tempos diferentes da história. O pretexto parece meio fraco, mas isso é totalmente compensado pela diversidade das fases. Como o foco é viagem pelo tempo, Crash passa pela idade média, pré-história, Egito antigo, etc. Cada fase tem suas peculiaridades e dificuldades e com isso você não se cansa! Cada “mundo” do jogo mantem você bastante ocupado, pois a coisa não é tão fácil já nas últimas fases do jogo.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”2477″ img_link_target=”_self” img_size=”700×400″][vc_column_text]

Joguei muito esse jogo quando era molecote, adorava muito os gráficos, as músicas e toda diversão que tinha com esse jogo na época. Hoje em dia ainda pego ele para relembrar ele e ter um ataque de nostalgia. Agora deixo com vocês um breve gameplay para vocês lembrarem o quão bom era esse jogo e para quem não conhecia não perca tempo e busque dar uma jogada, pois vale a pena!

[/vc_column_text][vc_video link=”http://youtu.be/FSyVgfB5Tlw”][/vc_column][/vc_row]

Categories: Games Nostalgia